Amar também é querer

Eu sinceramente, nunca pensei que fosse me apaixonar por um homem maduro e vamos falar abertamente… mais velho do que eu. A parte mais difícil para mim no começo era o julgamento. Onde eu andava com ele eu achava que as pessoas estavam me julgando. Era olhar torto pra mim que eu já pensava que estavam falando: “olha o garoto novinho com aquele cara mais velho, é garoto de programa só pode ser…”.

Cheguei pensar em desistir do meu relacionamento inúmeras vezes. Sempre que estamos prestes a tomar grandes decisões na vida somos obrigados a abrir mão de grandes coisas. Nesse caso o que minha mente autodestrutiva me fazia questionar era se valia a pena abrir mão da minha liberdade e da vida que eu levava a anos, fazendo questão de “mostrar” o tempo inteiro nas situações da vida o quanto seria difícil continuar com a escolha que eu estava fazendo, por mais fácil que podia ser… Eu queria desistir porque eu não sabia o que estava acontecendo comigo e eu sempre tinha vivido em cima da minha verdade de que não era possível se apaixonar por caras mais velhos. Estava cego. E por ser julgado algumas vezes por olhares estranhos eu estava deixando de viver a minha vontade, e permitindo que outras pessoas governassem a minha própria vida.

A gente é julgado o tempo inteiro por tudo. Pelo médico, pelo garçom, pelo cabeleireiro, pela secretária, pelo mundo todo… Mas o fato de como ou porquê seremos julgados não deve ser o pilar para nenhuma de nossas escolhas de vida. Porque a vida é muito maior do que qualquer opinião, julgamento ou visão. Cada ser humano um universo inteiro, cada ser humano vive o amor de uma maneira porque sim, somos todos diferentes.

Depois de alguns meses de relacionamento e conhecendo ele que eu comecei a mudar; e quando digo mudar, estou falando intimamente sobre as coisas que achamos mais e menos importantes, sobre valores… Para que eu mudasse, comecei a mudar as coisas que eu me importava. Comecei a não me importar mais com a opinião dos outros, comecei a valorizar mais a chama do amor que existe entre nós… comecei a pensar mais em nós, a viver mais por nós e o mundo todo a minha volta começou a mudar junto comigo porque quis mudar os meus valores. Isso não representa que eu não sou mais julgado todos os dias por ter escolhido ter um relacionamento com um cara mais velho do que eu. Mas significa que o modo com que eu encaro isso não me incomoda mais e isso tornou tudo leve, mágico e maravilhoso.

Eu aprendi na pele que por mais que eu tenha 24 anos, idade nada tem a ver com maturidade. E uma pessoa jovem pode ser sim muito madura, assim como uma pessoa mais velha pode ser completamente imatura. Aprendi que beleza não é nada importante quando o assunto é amor de verdade. E para aqueles que acreditam que o amor simplesmente acontece, sinto-lhes informar… Na prática, não funciona assim… Você vai se machucar, você vai sofrer, vai precisar abrir mão de coisas que antes você achava essenciais e aí sim você vai começar a construir a base para aquilo que num futuro próximo, ou não, você venha chamar de amor! Viva o amor… nas mais diversas formas e maneiras de senti-lo. Viva o Sol… que passa noite, passa as nuvens, passa a tempestade, o furacão… Lá está ele para encher os corações de amor e luz! Busque o aperfeiçoamento, e por mais difícil que seja, não desista. Você vai ser feliz se querer ser feliz e se estiver disposto a sacrificar o que for necessário. Porque o caminho é árduo em todos os sentidos, mas somente o amor é e sempre será capaz de nos libertar.